Articles

A Deathless Grievance: Perder a Auto-identidade

“Nenhum livro de regras. Sem prazo. Sem julgamento. O luto é tão individual como uma impressão digital. Faça o que é certo para a sua alma”. – One Fit Widow

Perder um indivíduo que não faleceu pode ser tão desafiante como perder um indivíduo que faleceu. Além disso, perder-se a si próprio tem aspectos semelhantes de perder outro indivíduo. E muitas vezes, o indivíduo passa pelas mesmas fases de luto (uma análise profunda dos componentes do processo de luto) incluindo choque, negação, raiva, barganha, depressão, testes e aceitação. Especificamente, choque: a paralisia inicial ao ouvir as más notícias, negação: tentar evitar o inevitável, raiva: efusão frustrada de emoção engarrafada, barganha: procurar em vão uma saída, depressão: realização final do inevitável, testes: procurar soluções realistas, e aceitação: finalmente encontrar o caminho a seguir (Modelo Kubler-Ross modificado). De notar que estas fases podem variar em comprimento e podem variar em ordem, assim como se pode andar para trás e para a frente entre as fases. A terapia é útil quando um indivíduo está “preso” numa fase específica para o ajudar a avançar com a perda. Além disso, há dois tipos de luto: agudo e complicado (ou seja prolongada – com duração superior a um ano) dependendo da duração do luto (Dryden-Edwards & Stoppler, n.d.).

Enquanto o luto está muitas vezes relacionado com a morte de um ente querido, qualquer perda importante (ruptura de uma relação, perda de emprego, perda de um cão, perda de uma situação de vida) pode também resultar numa reacção de luto. Estes indivíduos podem sofrer de depressão ou transtorno de stress pós-traumático, bem como ter dificuldades com o sono, apetite, peso, concentração, ou nível de energia (Dryden-Edwards & Stoppler, n.d.). Os sintomas de luto podem ser de natureza emocional, física, social, ou religiosa. Em alguns casos, a perda de uma pessoa ou objecto pode, em última análise, levar a um maior desenvolvimento pessoal (Dryden-Edwards & Stoppler, n.d.). É importante notar que a dor é um sentimento comum e que resulta da perda de qualquer coisa que seja importante para o indivíduo (Dryden-Edwards & Stoppler, n.d.).

Mais frequentemente, os investigadores ou clínicos não discutem a perda de auto-identidade. Embora isto possa ter ocorrido na infância ou no final da vida adulta. A perda pode ou não ocorrer após algumas das perdas discutidas anteriormente (por exemplo, perda de um emprego, perda de uma casa), mas outras perdas ocorrem após abuso (seja físico, emocional, ou sexual). Quando os indivíduos perdem a sua identidade, podem não ter ideia de quem são ou para onde querem ir na vida. Em casos extremos, os indivíduos podem isolar-se porque se preocupam com quem se ligar se não souberem com quem são eles próprios (Sell, 2013). Em essência, a identidade é aquela colecção de atributos que define como os indivíduos se vêem a si próprios (Sell, 2013). Quando alguém perde a sua identidade, ele ou ela passa muitas vezes pelas fases do luto.

p>De nota, a identidade é a capacidade de auto-reflexão e consciência de cada um. As pessoas adquirem normalmente a sua identidade através das tarefas que fazem e dos objectos com que se identificam (Radwan, n.d.). Pode-se ter uma identidade com uma pessoa (por exemplo, crianças que tentam imitar os seus pais), uma identidade com um trabalho, ou identificar-se com um objecto (por exemplo, um carro; Radwan, n.d.). Se alguém se identificar como uma pessoa bem sucedida porque tem um emprego rico e familiar, se for despedido ou se o seu cônjuge pedir o divórcio, este indivíduo pode perder a sua identidade. Tal como a perda de um ente querido ou item materialista, os indivíduos têm o potencial de passar pelas sete fases do luto. A perda da identidade pode acontecer de repente ou ao longo do tempo.

Como terapeuta, é essencial não “apressar” os indivíduos através da sua reclamação das suas identidades. Permitir que estes indivíduos passem pelas fases do luto e ajudá-los a reconhecer em que fases ficam “presos”. Depois, em troca, ajudá-los a passar por essas fases. Seja paciente com a sua capacidade de formar uma auto-identidade.

p>Adicionalmente, é importante ajudar os indivíduos a reconhecer os seus valores internos e externos, e criar a sua própria identidade (Sell, 2013). Desta forma, o indivíduo pode escolher qualquer definição que queira – ele ou ela não tem de estar à altura das expectativas de quem os outros querem que eles sejam, mas vive à altura das suas próprias expectativas. Ao aceitarem um self, os indivíduos não são limitados por qualquer noção de identidade, libertam-se para serem exactamente quem são (Sell, 2013). Para se criar e escolher a sua própria identidade.

Por último, uma área comum onde as pessoas perdem a sua identidade é quando estão deprimidas – podem ter perdido a memória, podem perder a sua capacidade de encontrar prazer, podem ter diminuído a libido, podem ter dificuldade em concentrar-se, e assim por diante (Smith, 2018). Como terapeutas, reconhecem que se trata de uma viagem de recuperação peça por peça, e que podem passar pelas fases do luto (Smith, 2018). Neste caso, a depressão pode ter sido uma fase específica do luto em que perdeu a sua identidade. Ajudá-los a reconstruir é essencial.

Além disso, a perda de identidade pode ser impactante como perda de uma pessoa. Além disso, a pessoa pode perder a sua identidade depois de perder uma pessoa, animal, emprego, ou objecto. Assim, os indivíduos podem estar a passar pelas fases de luto por ambos os aspectos. É importante ser paciente com a pessoa e ajudar o indivíduo a reconhecer qual o aspecto que está de luto. Permitir que a pessoa “a sinta para a curar”

Agler, A.M. (2014). “Já não sei quem sou”: Perder a minha identidade”. Recuperado de https://www.counselling-directory.org.uk/counsellor-articles/i-dont-know-who-i-am-anymore-losing-my-identity

Dryden-Edwards, R. & Stoppler, M.S. (n.d.). Luto: Perda de um ente querido. Recuperado de https://www.medicinenet.com/loss_grief_and_bereavement/article.htm

Radwan, M. F. (n.d.). Identidade psicológica e crise de identidade. Obtido de https://www.2knowmyself.com/Psychological_identity/identity_crisis/who_am_i

Sell, L. (2013). Perder a minha identidade. Obtido de https://www.huffingtonpost.com/lorenz-sell/self-identity_b_3779389.html

Smith, J. (2018). Lidar com a perda de identidade em depressão. Obtido de https://www.healthyplace.com/blogs/copingwithdepression/2018/03/dealing-with-identity-loss-in-loss-depression

Sobre o Autor————————–

Michelle Blose é actualmente estagiária na Bay Pines VAHCS e doutoranda do quinto ano na Universidade Nova Southeastern. O seu e-mail é [email protected]

17 de Abril de 2019 Michelle Blose

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *